ABRASS – Associação Brasileira dos Produtores de Sementes de Soja

Futuro ministro do MRE, Ernesto Araújo, conhece demandas do agronegócio brasileiro

Postado em: 21/11/2018

Em reunião no dia 20 de novembro, o embaixador Ernesto Araújo, disse que irá consolidar uma parceria com o Ministério da Agricultura, cujo objetivo é de criar novas relações com o mercado internacional e manter as que já existem.

Carolina Matos_Site

Com o objetivo de construir e fortalecer uma política externa mais eficiente e justa, além de conhecer as demandas do agronegócio nacional, o futuro ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, participou na última terça-feira (20/11), de uma reunião na sede da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA).  A presidente da FPA, deputada Tereza Cristina (DEM/MS), juntamente com membros da bancada e representantes de entidades do agro receberam o futuro ministro com o intuito de estreitar os laços com o Ministério.

“Foi uma honra ter sido indicado ao MRE. Vivemos um momento muito especial para o país. Quero que o Ministério das Relações Exteriores seja parte integrante deste processo e contribua para o desenvolvimento do setor agropecuário e do Brasil. Teremos, definitivamente, uma parceria com a agropecuária. Estou entusiasmado com as possibilidades de melhorias e avanços”, ressaltou o futuro ministro.

De acordo com a presidente da FPA, a visita de Ernesto demonstra que o relacionamento com o MRE será diferente, porque há uma abertura de ambos os lados para uma parceria de sucesso e duradoura. “Estamos muito satisfeitos com a vinda do embaixador. Temos certeza de que vamos trabalhar intensamente para fortalecer a imagem do Brasil lá fora. Queremos construir uma imagem real do Brasil, a imagem que gostaríamos que o país tivesse no mercado internacional”, disse Tereza Cristina.

Gestão territorial e preservação ambiental

No encontro, o presidente da Comissão de Coordenação e Implantação de Sistemas Espaciais da Força Aérea Brasileira (FAB), major-brigadeiro Luiz Fernando de Aguiar, o presidente em exercício da Embrapa, Celso Moretti, e o chefe da Embrapa Territorial, Evaristo Miranda, também estiveram presentes. O objetivo foi apresentar o projeto de implantação do primeiro sistema espacial brasileiro, uma parceria entre as duas instituições.

O Carponis-1 será o primeiro satélite coletor de imagens de alta resolução controlado integralmente pelo Brasil. O representante da FAB apresentou as aplicações que o sistema terá nas áreas de Defesa e Segurança pública, bem como no setor agropecuário. “A ideia não é só controlar o sistema do ponto de vista militar e de defesa, mas também para a prevenção desastres ambientais e suporte para a agricultura de precisão”, afirmou Luiz Fernando de Aguiar.

Para o major-brigadeiro, o sistema contribuirá para a agropecuária ser o que verdadeiramente é: impulsionadora do crescimento do país. O satélite vai auxiliar no mapeamento e monitoramento ambiental e na gestão territorial da agropecuária nacional, por meio do acesso autônomo a imagens detalhadas e atualizadas do território brasileiro e internacional.

Responsável pelos estudos que mapeiam a preservação ambiental no Brasil, o chefe da Embrapa Territorial, Evaristo de Miranda, salientou que os países vizinhos já possuem satélites melhores que os do Brasil, mesmo o país tendo capacidade técnica para alavancar no sistema espacial. “Hoje, o Brasil preserva 66,3% de seu território enquanto outros países, como os Estados Unidos, Austrália e China, 10%. A área preservada no Brasil equivale a 28 países europeus. Precisamos mostrar isso para o mundo. Precisamos melhorar ainda mais esse monitoramento”, defendeu Evaristo.

 

 

 

Fonte: FPA com edição da Abrass

Voltar